Interface entre Fonoaudiologia e Terapia ABA

Meu filho vai falar?

Foto: Reprodução | Portal Comporte-se

Essa é uma questão que gera uma grande interrogação nos pais de crianças com diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA) e que o fonoaudiólogo busca encontrar respostas na sua prática profissional diária.

Isso porque a criança com Autismo apresenta, em algum nível, alterações na comunicação. Além disso, o atraso na aquisição da fala aparece como sendo um dos sinais para o risco e diagnóstico precoce para o quadro de TEA.

Neste contexto, a Clínica CIAB propõe um trabalho onde a Fonoaudiologia e a Análise Aplicada do Comportamento – ABA (sigla em inglês Applied Behavior Analysis), somam-se na busca de um processo terapêutico com eficácia, pautado em evidências científicas.

A Intervenção Fonoaudiológica com base na Análise do Comportamento Aplicada

Aqui neste artigo o objetivo é evidenciar práticas relacionadas com a especialidade do profissional da Fonoaudiologia, na parceria supracitada, com o Analista do Comportamento, considerando que o fonoaudiólogo é o profissional que trabalha para prevenir, avaliar, diagnosticar e tratar a fala, a linguagem, a comunicação e os distúrbios miofuncionais (ASHA, 2019).

No contexto apresentado, a Fonoaudiologia pode ser compreendida como uma ciência que atua diretamente nas questões da comunicação; dados os déficits encontrados na comunicação do TEA são de extrema importância a intervenção desse profissional junto à equipe transdisciplinar.


Fonte: Portal Comporte-se